Símbolo do Jornal O ESTADO

Jornal O ESTADO
Sexta-feira - 12-10-2012
Fortaleza - Ceará - Brasil
http://www.oestadoce.com.br
...e da leitura


O dia 12 de Outubro, também é o Dia Nacional da Leitura. Instituída em 9 de janeiro de 2009, a data tem, como objetivo, incentivar a leitura entre as crianças sem ou com deficiência ocular

Natalício Barroso
Da Redação

      A história do livro, assim como da leitura, não tem uma data precisa. Começando a ser escrito em tijolinhos de barro, incialmente e, depois, em papiro, o livro evoluiu a tal ponto que hoje é visto como algo obsoleto ou que, em breve, será substituído pelos tablets. A história da leitura também não é diferente. Como os livros nem sempre eram escritos da esquerda para a direita, mas em várias direções, a leitura também tinha que acompanhar esta forma de escrever. Assim, surgiram livros que eram escritos de cima para baixo ou conforme o andar do boi no arado, indo e vindo sem que houvesse um lado preciso para olhar. Assim, eram muitas as formas como se escrevia no passado e nem sempre as palavras se destacavam umas das outras. Elas se uniam e, para o leitor desvencilhar tudo aquilo, precisava de muita prática e dedicação.

Foto do Jornal O ESTADO
Voluntária gravando para o projeto Kurumim

      A forma como os leitores costumavam ler neste tempo, portanto, não era bem como hoje. A leitura de hoje é silenciosa. A do passado era em voz alta. Daí porque costuma-se dizer que tal autor “falou” isso e aquilo em seu livro e não que “escreveu” ou que “disse” algo em vez de ter registrado apenas.
      Recebendo uma carta da mãe, Alexandre, o Grande, que costumava se comunicar com ela, cometeu a suprema indelicadeza de ler a carta em silêncio. Preocupados com isso, seus homens ficaram alarmados e, como nunca esqueceram este detalhe na vida do conquistador, passaram a falar do caso que, em seguida, foi relatado por seus biógrafos. Santo Agostinho conta, nas Confissões, que Santo Ambrósio, quando lia, não mexia com nenhum músculo da face. O envolvimento dele com o que estava lendo era tão grande que era como se as palavras não tivessem som. Mas apenas imagem.
      A leitura de hoje, naturalmente, é muito mais fácil do que aquela que se fazia no passado. Com o surgimento dos sinais que fazem com que as palavras se separem e, com elas, as frases e orações, tudo está mais simplificado. Muitas, porém, são as formas de se ler. Aqueles que leem em Braille, por exemplo, sabem disso.
      Inventado por Louis Braille em 1824, o Braille mudou a vida de muita gente e instituições. Dentre elas a da Sociedade de Assistência aos Cegos – SAC – do Ceará que foi a primeira, no estado cearense, a introduzir o Braille e a fundar a Academia de Artes e Letras formada, toda ela, por cegos. Curumim e Livro Falado é o último projeto do SAC que tem, mais uma vez, o objetivo de atender aqueles que sofrem de deficiência visual.
      Realizado todas as quintas-feiras, das 13h às 17h, no Centro de Gravação do Livro Falado, o projeto trabalha com voluntários e dispõe, no momento, de 54 crianças que, como aqueles que são beneficiados pelo Curumim, têm entre 6 e 12 anos de idade. “Imagine crianças cegas lendo ou simplesmente ouvindo a contação de histórias narradas por outras crianças”, informa o SAC. No Instituto Hélio Goes, continua o Instituto, isso é possível por causa do projeto Curumim que facilita o acesso à biblioteca em Braille e dá oportunidade para que crianças voluntárias, com visão normal, gravem obras destinadas às crianças da mesma idade.
      No projeto Curumim, afirma a professora Andreia Barros, supervisora do projeto, há uma surpreendente inversão de papéis. Nele, as crianças cegas que, normalmente, estão condicionadas a aprender, são as que direcionam as oficinas proporcionando a aprendizagem através de jogos e da aplicação do Braille para as crianças que não sofrem de deficiência ocular.
      Para quem quiser ser voluntário, informa o SAC, é necessário ter de 6 a 12 anos. As inscrições são feitas no Departamento de Serviço Social da Sociedade de Assistência aos Cegos que fica na Avenida Bezerra de Menezes, 892, São Gerardo.
Mais informações pelo telefone: (85) 3261.0811.

Nota de esclarecimento:
O novo telefone da SAC é: (85) 3206-6800.


Volta página principal E-mail: sac@secrel.com.brE-mail: sac@secrel.com.br
Volta página anterior